You are currently browsing the tag archive for the ‘papel fotografico’ tag.

De repente alguém vem e pergunta:

– Encontrei esse bloco no fundo de uma caixa. Te interessa?

Mais de 90 folhas 23,5 x 31 cm. Gramatura 200g. Textura fina e tonalidade creme bem claro. Fabricante desconhecido, mas de excelente qualidade. As marcas da passagem do tempo se limitam às bordas e nada mais.
Minha resposta é óbvia.
Agora é decidir qual o melhor tema e processo para aproveitar esse presente.

A propósito. A Via Calzaiuoli continua em Florença,  já Galotti e Parenti não se sabe mais deles.

 

Anúncios

Venha aprender a fazer o seu próprio papel fotográfico!

Dias 1º e 2 de julho no Lab Clube.

Papel fotográfico – Gelatina de cloreto de prata.

Normalmente quem se aventura na fotografia alternativa acaba descobrindo que vai ter que fazer pessoalmente tudo o que for necessário. Da preparação das soluções, sensibilização do suporte e tudo o mais até a secagem final da impressão. Isso vale tanto para a sofisticação de uma impressão a carvão, quanto a cianotipia mais simples.

De vez em quando, porém, surge alguém que torna esse caminho bem mais curto. Esse é o caso, e até onde sei único no Brasil, da turma do Lab Clube, do Rio de Janeiro.
Em novembro do ano passado, durante a oficina de gelatina de prata, ficou combinado que me mandariam algumas folhas já preparadas para cianotipia para fazer alguns testes. Tudo acertado e depois foi só ter a paciência para aguardar o correio com as desculpas já tradicionais de final de ano. Entre postagem, trânsito e entrega, o papel ficou dezoito (!!!) dias sensibilizado e sem uso.

Ao abrir o saco de plástico preto, a primeira folha estava com uma cor quase verde musgo, bem escurecida. Pensei no pior por conta do tempo decorrido entre a sensibilização e o uso.
Como não tinha como antecipar qualquer resultado resolvi fazer as exposições de modo a poder interrompê-las sempre que quisesse verificar seu andamento.
Após duas tentativas não muito bem sucedidas por conta de tempos de exposição não compatíveis com o estado do papel e por estar usando negativos de papel encerado, imaginei aumentar o tempo de exposição para compensar a oxidação dos 18 dias postais.
Eis alguns dos resultados:

Papel para cianotipia Lab Clube.

Papel para cianotipia Lab Clube.

Papel para cianotipia Lab Clube

Papel para cianotipia Lab Clube.

papel para cianotipia Lab Clube.

papel para cianotipia Lab Clube.

A qualidade das impressões em nada ficou dever a qualquer papel sensibilizado e usado dentro de um prazo curto. Acredito que qualquer um que queira se iniciar na fotografia alternativa, mas ainda não tem o domínio completo do processo, pode usar sem susto esse papel feito pelo Lab Clube.

 

No fim de semana passado, dias 19 e 20, aconteceu mais uma oficina do ciclo de oficinas, organizado pelo Lab Clube, no Rio da Janeiro. Dessa vez, tive a oportunidade de mostrar como fazer papel fotográfico tradicional de forma artesanal para um grupo atento e interessado e, melhor de tudo, curioso.
Não adianta aprender se não se tem curiosidade. O simples saber sem o “e se” não produz nada novo. Saber como fazer e não tentar ultrapassar um limite, mesmo que seja só para saber que alguma idéia não funciona, não vale a pena.

Alguns dos primeiros trabalhos dessa turma de curiosos.

15109497_1146609492060622_7994296862487682143_n

15181494_1146612265393678_1983147077904900040_n

15193621_1146610028727235_9132676040973100663_n

15170992_1146609275393977_2004697187670646206_n

15193671_1146609558727282_897514383272496839_n

15203171_1146610275393877_9033957267213580645_n

15203328_1146610542060517_1961347949794573579_n

Oficina de gelatina de prata no Lab Clube, Rio de Janeiro.
Somente oito participantes.

IMGP0523w