You are currently browsing the tag archive for the ‘cloreto de prata’ tag.

-É complicado?

-Quase sempre. Inglês vitoriano, expressões fora de uso e referências de época que precisam ser pesquisadas para não ser vítima da maldição do “traduttore, traditore”.

………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….

É suficiente dizer que as pranchas deste trabalho foram obtidas pela mera ação da Luz sobre papel sensível. Foram formadas ou esboçadas somente por meio ótico e químico, e sem qualquer ajuda de alguém treinado na arte do desenho. Assim, desnecessário dizer que elas diferem em todos os aspectos, e tão amplamente possível em sua origem, das pranchas de tipo comum que devem sua existência às habilidades combinadas do Artista e do Gravador.

………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….

 

Anúncios

Em 28/08/2010,  publiquei um post com o título  Papel Fotográfico Caseiro onde se mostrava como fazer uma emulsão simples de gelatina de prata (cloreto) para fazer papeis fotográficos pb.
A “receita” e o processo eram, e são, bem simples. Porém com muito espaço para experimentação e aperfeiçoamento.
Diferentemente dos produtos industriais onde a padronização é a regra imposta por conta dos custos de produção envolvidos, fazer um papel fotográfico de forma artesanal permite um grande número de variações, podendo cada praticante chegar até a ter a sua fórmula e processo pessoal.
Assim, segue outra formulação e suas etapas de elaboração.

Dissolver 6 g de gelatina em 90ml de água.

(A gelatina utilizada não foi aquela normalmente encontrada no comércio em sachets individuais. É mais fina e foi adquirida a granel em loja de temperos, condimentos, etc..)

Adicionar 2 g de cloreto de sódio e quando totalmente dissolvido, adicionar 1 ml de uma solução a 2% de iodeto de potássio.

COM LUZ DE SEGURANÇA, adicionar 10 ml de solução composta 10 ml de nitrato de prata a 15% e 2 g de ácido cítrico.

(A presença do iodeto torna a emulsão mais sensível, portanto a luz de segurança é realmente necessária.)

Banho-Maria por 30 minutos a uma temperatura entre 60 e 65ºC.

(A temperatura e o tempo são maiores do que aqueles indicados na primeira postagem. Isso, além de acelerar a formação dos haletos de prata aumentará sua sensibilidade à luz.)

Gelatina de prata – cloro/ iodeto

Dezembro não é mês para postagens (isso também vale para janeiro, fevereiro e junho). Natal, reveillon, férias. Tudo conspirando contra.
Mas como a teimosia é bem maior, segue o bonde.

Gelatina de prata ( iodeto) acidentalmente exposta por não mais do que 2 segundos. Isso aconteceu em outubro. Hoje fui fazer algumas cópias combinado gelatina de iodeto de prata com a de cloreto. E o resultado foi um completo desastre. Os papeis preparados logo no primeiro contato com o revelador já se mostraram totalmente velados.
Para não dizer que tudo foi perdido, tem papel para lumem.

Da primeira tiragem de 100, só restam 19.

No fim de semana passado, dias 19 e 20, aconteceu mais uma oficina do ciclo de oficinas, organizado pelo Lab Clube, no Rio da Janeiro. Dessa vez, tive a oportunidade de mostrar como fazer papel fotográfico tradicional de forma artesanal para um grupo atento e interessado e, melhor de tudo, curioso.
Não adianta aprender se não se tem curiosidade. O simples saber sem o “e se” não produz nada novo. Saber como fazer e não tentar ultrapassar um limite, mesmo que seja só para saber que alguma idéia não funciona, não vale a pena.

Alguns dos primeiros trabalhos dessa turma de curiosos.

15109497_1146609492060622_7994296862487682143_n

15181494_1146612265393678_1983147077904900040_n

15193621_1146610028727235_9132676040973100663_n

15170992_1146609275393977_2004697187670646206_n

15193671_1146609558727282_897514383272496839_n

15203171_1146610275393877_9033957267213580645_n

15203328_1146610542060517_1961347949794573579_n

Arquivos

Anúncios