You are currently browsing the tag archive for the ‘cianotipia’ tag.

Prepare 400 ml de chá preto bem forte. Despeje na bandeja e junte mais 500 ml de água. Adicione 5 ml de amônia. O líquido tomará uma coloração marrom, bem escuro.  

Mergulhe a impressão e mantenha agitação constante e suave. O efeito é quase imediato. Inicialmente o azul se intensificará e mudará para violeta, para depois, mudar para um tom sépia claro nas altas luzes e cinza azulado nas áreas de sombra.

 O controle do processo é totalmente visual e uma vez atingida a tonalidade desejada, a impressão deve ser retirada e lavada por pelo menos 30 minutos para eliminar qualquer resíduo de chá evitando assim o surgimento de manchas.  

Como essa viragem envolve o uso de chá pode ocorrer algum tingimento, principalmente nas bordas do papel, o melhor é fazer a impressão com uma boa folga nos quatro lados da folha para aparar depois.

Impressão após 2 minutos no banho de viragem. Note o tingimento nas bordas esquerda e inferior.

3D-catalogo-WCD1%20transp_edited.png



O LabClube, do Rio de Janeiro, apresenta o catálogo dos trabalhos que fizeram parte do Cyanotype Day Brasil 2019.
Parabéns, Fernanda, Alex, e a todos os artistas participantes.

Quem quiser baixar o catálogo é só clicar aqui.

Saber a quantidade de cada reagente dessa ou daquela fórmula pode ser o suficiente para a maioria das pessoas, porém se você quiser realmente saber o que acontece e porque acontece vai ter que ir um pouco além.
Os amigos do LAB Clube e a professora de química da UFJF, Bárbara Almeida, começam responder o que você quer saber, mas nunca encontrou a quem perguntar.

Qual a diferença entre o citrato verde o o citrato marrom?

Mais diferenças entre o citrato verde e o marrom.

Mais uma vez o Lab Clube mostra porque é um dos melhores.

Qual a diferença entre as duas versões do citrato férrico amoniacal? O verde é o melhor? Ou será o marrom.
Bárbara Almeida, doutora em química pela UFJF, explica.

Agora ficou mais fácil conseguir o Manual de Cianotipia e Papel Salgado, a tradução, para o português, do Lápis da Natureza (The Pencil of Nature), de William Henry Fox-Talbot, bem como os demais títulos publicados pela Ibis Libris Editora. Basta ir até a Livraria da Travessa, em Lisboa, na Rua da Escola Politécnica nº 46, e fazer o pedido.

Arquivos