You are currently browsing the tag archive for the ‘azul’ tag.

A sequência é a seguinte:

1: Cianotipia executada normalmente e deixada de lado por mais de duas semanas.

2: Banho inicial somente com água para “abrir” as fibras do papel. (Um a dois minutos)

3: Banho em solução de carbonato de sódio a 3%, para rebaixar a tonalidade. (Controle visual)

4: Lavagem com água corrente para interromper a ação do carbonato. (Cinco minutos)

5: Banho com café forte e água, 2/3 : 1/3. (Controle visual)

6: Lavagem com água corrente. (Dois a três minutos)

7: Banho com solução de amônia a 4%. (Controle visual)

8: Lavagem final com água corrente. (Quinze minutos)

dscf1162-001

Na última postagem de 2016 mostrei uma cianotipia feita com com a adição de dois novos componentes na solução tradicional  A+B (citrato+ferricianeto). Nada de revolucionário já que a imagem azul se forma da mesma maneira que em qualquer cianotipia, pela ação da solução na presença de radiação UV. Porém com alguma diferença em relação ao brilho e profundidade da imagem.

A idéia inicial foi adicionar alguma coisa que impedisse ou, pelo menos dificultasse, a absorção completa da solução pelas fibras do papel. Tradicionalmente isso é feito com gelatina, mas como eu queria algo um pouco mais radical resolvi usar cola PVA para selar o papel. A primeira tentativa com a cola aplicada diretamente não funcionou. Por ser muito espessa não espalhou de maneira uniforme deixando bem evidentes e em relevo as marcas do pincel usado.

A solução mais óbvia foi diluir a cola e para que isso não viesse a afetar tanto a solução, a diluição foi feita com a própria solução A+B modificada anteriormente ,e com jeitão de geléia de menta, feita ainda em outubro de 2016 onde a gelatina (6 gramas) já está incorporada.

No final das contas a “receita” ficou a seguinte: Uma colher de sobremesa de cola PVA + Duas colheres, também de sobremesa da solução. (Vai como receita de bolo porque não quis ter restos de cola nas paredes do tubo graduado de plástico.)

A exposição deve ser um pouco mais prolongada, bem como o tempo de lavagem. As imagens abaixo foram feitas a partir de negativos de papel encerado.

 

dscf0446

Tempo de exposição: 6:30 minutos, céu aberto, UV alto. Lavagem: 20 minutos iniciais, troca de água. 10 minutos com adição de 20ml de H2O2. Lavagem final, 10 minutos com água corrente.

dscf0445

Tempo de exposição: 6:30 minutos. Idem.

dscf0444

Tempo de exposição: 7 minutos. Idem, idem.

Cola PVA + Solução tradicional para cianotipia + gelatina.
Em 2017, mostro como é.

Feliz Natal!

dscf0313

Na semana que passou fiz uma postagem como título ” Gelatina de Ferro”, descrevendo todo o processo, da idéia inicial até o banho final nas impressões.
Hoje, aproveitando o índice UV extremo, mais duas imagens, com algumas alterações nos tempos anteriormente usados.

Exposição a céu aberto, sem nuvens e luz do sol direta. Negativos em papel encerado. Papel desconhecido com gramatura aproximada de 150g (?).  Tempo de exposição: 6 minutos. Primeiro banho com alumem: 2 minutos. Banho final: 30 minutos. ( 1o minutos em água corrente; 10 minutos em água parada com adição de 15 ml de H2O2; 10 minutos finais em água corrente.) Durante a fase molhada, todo o cuidado possível no manuseio do papel que logo nos primeiros 10 minutos já estava bem saturado de água e pronto para se rasgar com qualquer toque mais brusco.

dscf9383

dscf9382

Tenho guardados dois frascos com um pouco das soluções de citrato e ferricianeto para cianotipia. O preparo ocorreu há mais de um ano e tudo apontava para o descarte puro e simples. A solução de citrato, como só podia acontecer, apresentava uma bela camada de bolor e o ferricianeto, um pouco turvo.
Mas, como a idéia deste blog é sempre passar alguma informação para tornar a prática de processos alternativos de impressão fotográfica o mais simples possível ( e a baixo custo, também), resolvi testar se ainda poderia usar as duas soluções fazendo dois fotogramas de uma folha de amoreira.
Duas exposições: 15 e 20 minutos.
Indice UV: Extremo
Papel: Não faço a menor idéia. Como é um teste só para verificar a validade da química, melhor um papel sem pedigree, manuseado com muito cuidado, já que a gramatura não deve chegar a 200.
A escolha pelo fotograma de uma folha ficou por conta de ser uma exposição obrigatoriamente longa. Isso evita que haja um falso resultado devido a eventual subexposição.
Conclusão: Não precisa jogar fora. Mesmo depois de muito tempo a química da cianotipia. Desde que devidamente guardada em frasco escuro, ainda funciona sem qualquer alteração. Para retirar o bolor de citrato e clarear o ferricianeto, passe as soluções por um filtro de café, desses de papel mesmo.

DSCF8652

Início da exposição. A direita o sensor de UV.

DSCF8654

UV extremo. Agulha no batente.

DSCF8656

A de cima, 20 minutos. A de baixo, 15 minutos. Os veios da folha ainda não tão evidentes. Talvez com 30 ou 35 minutos.