You are currently browsing the category archive for the ‘história’ category.

FOTOGRAFIA ALTERNATIVA: O RESGATE DOS PROCESSOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS NA ERA DA IMAGEM DIGITAL é o título do TCC do amigo Rafael Frota em sua pós-graduação em História da Arte. Fico orgulhoso em ver que o meu Manual de Cianotipia e Papel Salgado, o Fotografia do Séc. XIX: Ambrotipia & Ferrotipia, dos amigos Alex Gimenes e Renan Nakano, e a minha tradução do The Pencil of Nature, de Talbot, puderam contribuir para esse trabalho acadêmico.
VALE A PENA BAIXAR E LER!

Anúncios

Mais material. Mais fórmulas. mais História.
Éduard Baldus pintor e fotógrafo francês de origem prussiana. Um dos pioneiros no uso de negativos compostos para a formação de uma só imagem. O conceito do HDR mais de 150 anos antes de qualquer algorítimo.

Édouard Baldus : cloître Saint Trophime
Claustro de São Trófimo, Arles.
Papel Albuminado a partir de negativo composto por seis calótipos.
Éduard Baldus.
Coleção de Biblioteca Pública de Nova York.
Montage du négatif du cloître Saint Trophime
Por conta dos diferentes valores de luz e da tecnologia da época a imagem composta por seis negativos recortados onde necessário e remontados para formar uma única imagem.
Mais uma variação do processo original de Talbot. A década de 1850 é a década dos negativos de papel e dos fotógrafos franceses.

Não preciso dizer mais nada.

Base de dados criada pela Biblioteca Pública de Nova York permite acesso rápido a praticamente todos os fotógrafos com alguma relevância histórica.
Além de um breve relato sobre a atividade de cada um, uma série de links permite que a pesquisa seja expandida de forma bem abrangente.

Sample 01 d5ce7c42b577e0fde5a82da982d16aba6fbf1d830d9f2c068176285829f81c6e

Durante mais de dez anos Talbot manteve o direito de patente de seu processo fotográfico da calotipia, também chamado de talbotipia. Isso o levou a processar, sem muito sucesso, vários fotógrafos sob a alegação que as imagens produzidas por eles eram feitas de acordo com o seu processo original. (Na maioria das vezes eram mesmo, mas com pequenas alterações de procedimento, compostos e percentuais.)
A exigência de Tabot de certa maneira atrasou o a popularização de seu processo, porém contribuiu de forma decisiva para que fotógrafos franceses, como Le Gray, desenvolvessem, a partir do processo original, novos métodos para a execução de seus negativos.
Por pressão da Royal Society e de sua mãe, no início da década de 1850, Talbot abre mão de seu direito de patente sobre a calotipia. Um pouco tarde, talvez, pois o negativo de vidro feito com colódio úmido de Archer já estava começando a dominar o mercado.

A Patent Talbotype (Brooks) - Label B
Um dos modelos de carimbo aposto no verso de cada fotografia feita pelos licenciados por Talbot.

Arquivos

Anúncios