You are currently browsing the category archive for the ‘história’ category.

Enquanto se instala o ôba-ôba suicida da liberação de shoppings, eu continuo em casa, esperando dias mais seguros e retomando o Calotipia – A Era dos Negativos de Papel.
Segue abaixo mais um pedaço do que está sendo feito.

……………………………………………………………………………………………………………………………….

ÉDOUARD BALDUS

Nasceu na cidade de Grunebach, na antiga Prússia, em 5 de junho de 1813, e pouco se sabe a respeito dos primeiros 25 anos de sua vida. Em 1838 vai para Paris para estudar pintura e adota a grafia francesa para seu nome. Em 1856 se naturaliza francês e em 1860 recebe a Legião de Honra por conta de seus trabalhos fotográficos.

Édouard Baldus – Autoretrato. 1853

O interesse de Baldus pela fotografia se inicia por volta de 1848. Em 1851, é um dos fundadores da Societé Héliographique, e, neste mesmo ano, patrocinado pelo governo francês, parte em uma das Missions Héliographiques para documentar monumentos históricos, atuando principalmente na região da Provence.

Tornou-se conhecido na França por usar negativos de papel, tanto úmidos quanto secos, em dimensões que chegavam aos 25 cm x 35cm com os quais montava imagens panorâmicas justapondo vários negativos. Aproveitando sua habilidade como pintor, frequentemente fazia retoques nos negativos, ora suprimindo ora acrescentando elementos como nuvens ou árvores. Um de seus trabalhos mais famosos, o Claustro de St. Trophine, em Arles, datado de 1851, é o resultado de pedaços de 10 negativos diferentes recortados e montados para mostrar, ao mesmo tempo, os detalhes das sombras e das altas luzes que, por conta das limitações do processo da calotipia, seriam impossíveis de serem registrados em uma só tomada.

Claustro de St. Trophine

A qualidade das imagens em grande formato produzidas garantiu novos trabalhos patrocinados pelo governo registrar os monumentos de Paris, incluindo a construção do novo Louvre, e cidades do sudeste francês. Documenta também obras de engenharia e, em 1861, é contratado para fazer o registro da ferrovia Chemins de fer de Paris à Lyon et à la Méditerranée. A partir de 1866 até 1884, passa a se interessar pela publicação de fotogravuras como forma de difundir o hábito de colecionar fotografias. Morre em um subúrbio no sul de Paris em 22 de dezembro de 1889.

Passo de Donzère

……………………………………………………………………………………………………………………………….

Desde seu início a fotografia é uma constante procura pelo mais simples.
Para levar a fotografia a um número cada vez maior de pessoas, os processos foram se descomplicando e os equipamentos cada vez mais simplificados e automatizados.
Porém, com a química o passo foi um pouco mais lento. Não se pode alterar tanto assim um tempo de reação. O máximo que se pode fazer é substituir um composto por outro mais eficiente.

A prtir do final do século XIX, como forma de simplificar o processo de revelação de filmes e chapas foi pensado se isso não poderia ser feito em uma única etapa que englobasse a revelação, a interrupção e a fixação sem precisar passar por cada uma isoladamente. Daí surgiram alguma formulações denominadas de monobanhos ( monobath), que era simplesmente juntar em uma mesma solução o revelador e o fixador para que o filme já saísse pronto do tanque.

As primeiras experiências não foram assim tão bem sucedidas pois as áreas de sombra tendiam a ficar acinzentadas e com pouca densidade. Com as formulações atuais esse problema já foi contornado e o monobanho pode ser uma boa opção para quem deseja um resultado rápido.

Aqui no Brasil você tem duas opções: Ou compra os compostos e prepara o seu “3 em 1”, ou pode usar o monobanho fabricado pelo O Retratista Alex Renan, que, a julgar pelos resultados mostrados, é bem eficiente tanto para as altas luzes, quanto para as áreas de sombra.

Ao longo do ano passado fiz algumas postagens indicando que no final de 2020 lançaria mais um livro com o título: Calotipia. A Era dos Negativos de Papel. Tudo caminhava bem até que… não preciso dizer o que aconteceu. Isolamento social, comércio fechado, além do natural receio de ficar doente, acabaram por atrapalhar tudo o que havia sido planejado.

Assim, para não deixar que o assunto seja totalmente esquecido, farei algumas publicações de textos já prontos, porém ainda não revisados, do livro enquanto fico torcendo para que todos consigam passar sem maiores complicações por esse perrengue.

” TALBOT E A CALOTIPIA – CRIADOR E CRIATURA

William Henry Fox-Talbot nasceu em 11 de fevereiro de 1800, em Melbury Sampford, Inglaterra. Com a morte prematura de seu pai, William Davenport Talbot, quando tinha somente cinco meses de idade, Talbot torna-se herdeiro da Abadia de Lacock e dívidas em montante superior a £ 30.000.

Talbot. Retratado por John Moffat, em 1864.

Apesar de pertencer a duas famílias tradicionais, passa a infância e a juventude vivendo com parentes e em colégios internos, até que, em 1827, graças a diligente administração de sua mãe Lady Elizabeth, filha mais velha do segundo conde de Ilchester, juntamente com seu segundo marido, Charles Fielding, capitão da Marinha Real, todas as dívidas são liquidadas e Talbot, finalmente, pode tomar posse de Lacock, que será seu lar até o dia 17 de setembro de 1877, quando morre vitimado por um ataque cardíaco.

            Entre os anos de 1817 e 1821, estuda no Trinity College Cambridge, onde obtém o título de Bachelor of Arts, First Class. Em 1822 é eleito membro da recém-criada Royal Astronomical Society e, em 1825, recebe o título de Master of Arts.

            Em 1831, já com diversos trabalhos publicados nos campos da matemática, física e astronomia, Talbot atinge o ápice do reconhecimento acadêmico sendo eleito membro da Royal Society, uma das mais antigas e prestigiosas instituições acadêmicas de promoção do conhecimento científico, criada em 1660.

Dono de uma mente inquieta e curiosa, com sete livros publicados e mais de 50 artigos científicos e matemáticos, Talbot é um dos vários exemplos do rigor e vigor intelectual existentes na Inglaterra do século XIX. Seu nome está marcado em várias áreas da ciência: na matemática com a Curva de Talbot, na física existe a Lei de Talbot, duas espécies botânica foram classificadas com seu nome e, na Lua, existe a Cratera Talbot.

            Apesar de sempre ser lembrado como um dos criadores e pioneiro da fotografia, os interesses de Talbot iam muito além. Antes da fotografia foi matemático.  Depois da fotografia, foi arqueólogo, dedicando-se ao estudo e, finalmente tradução da escrita cuneiforme de Nínive, e apesar de sua intensa atividade intelectual, ainda foi membro do Parlamento entre os anos de 1832 e 1835 e ocupou o cargo de Xerife de Wiltshire.

O Desenho Fotogênico.

            O interesse de Talbot na obtenção de imagens se inicia com uma frustração. Em 1833, após seu casamento com Constance Mundy, o casal parte para uma viagem de recreio pela França, Suíça e Itália. Em sua passagem pela Itália ele tenta fazer alguns esboços do Lago de Como, com o auxílio de uma câmera lúcida. Diante do que, em sua opinião, era um resultado sofrível, começou a imaginar se poderia utilizar uma câmera escura e as propriedades fotossensíveis do nitrato de prata para obter imagens sobre o papel.

Um dos desenhos feitos por Talbot com o uso da câmera lucida.

Logo nas primeiras experiências, ele constata que os papéis sensibilizados somente com o nitrato de prata, ou combinado com cloreto de sódio, eram demasiadamente lentos para serem usados na câmera escura, porém funcionavam bem para a criação de fotogramas. Essas primeiras tentativas, mesmo não produzindo o que Talbot esperava, serviram para que várias observações fossem feitas, como o abandono do uso de papéis sensibilizados somente com nitrato de prata e a proporção ideal para a combinação do nitrato com o cloreto de sódio.

            Continuando sua pesquisa com os fotogramas, Talbot se depara com mais um obstáculo. A permanência das imagens é praticamente nula. A menos que ficassem guardadas em algum lugar escuro, uma vez exibidas, o cloreto de prata fotossensível, formado pela combinação do nitrato de prata com o cloreto e sódio, continuaria reagindo na presença da luz até escurecer completamente a imagem obtida.

            As tentativas de Talbot para conseguir a permanência das imagens partiram de um raciocínio bem simples. Tendo constatado anteriormente que como menos cloreto de sódio, a combinação com o nitrato de prata tornava a solução mais sensível à luz, então, uma vez feita a exposição, o papel poderia ser “dessensibilizado” se fosse submetido a um banho com uma solução saturada de cloreto de sódio. Isso não funcionou. Apesar de se notar um pequeno aumento da tolerância aos ambientes iluminados, ainda assim, o papel continuava a escurecer. Depois do cloreto de sódio, ele também experimentou usar brometo de potássio, melhorando um pouco mais a permanência da imagem, mas ainda não de forma definitiva. Isso somente foi possível graças à descoberta de seu amigo Sir John Herschel da ação do hipossulfito de sódio (hoje, tiossulfato de sódio) como agente redutor da prata.

            Talbot chamou esse processo de “Desenho Fotogênico”, e estava pronto para tornar pública sua invenção quando, em janeiro de 1839, chega de Paris, a notícia que Daguerre havia criado um processo fotográfico. Mesmo sem ter todos os detalhes do processo francês, mas temendo perder a primazia, Talbot junta todo seu material e o apresenta, detalhadamente, à Royal Society sob o título “Da Arte do Desenho Fotogênico”. Finalmente, quando em agosto de 1839, são publicados os detalhes do processo de Daguerre, fica constatado não existir qualquer ponto que pudesse indicar que o processo de Talbot tivesse precedência sobre o francês, na obtenção de imagens fotográficas.

A daguerreotipia, com seu registro nítido e detalhado e o uso de uma câmera escura é o processo que efetivamente inaugura a história da fotografia. Quanto ao desenho fotogênico, mesmo não servindo para se fazer um registro fotográfico original em uma câmera, passará a ser utilizado para a reprodução de cópias positivas e será a base para todos os papéis fotográficos que surgirão no futuro. Hoje, o Desenho Fotogênico é conhecido por qualquer praticante de fotografia alternativa como papel salgado.

A Calotipia.

            Não conformado em ser somente o inventor do desenho fotogênico, Talbot continuou suas pesquisas para obter uma imagem fotográfica, sobre papel, com a utilização de uma câmera obscura.

            Sempre assombrado pelas comparações que eram feitas entre o seu desenho fotogênico e a daguerreotipia testou várias formulações na tentativa de tornar os papéis mais sensíveis à luz.

            Em 20 de setembro de 1840, enquanto conduzia mais uma sessão de testes, ele fez uma descoberta fundamental, relatada na Literary Gazzete: “Eu estava testando pedaços de papel sensíveis, preparados de diferentes maneiras, na câmera obscura, fazendo que eles ficassem lá por muito pouco tempo para determinar qual seria o mais sensível. Um desses papéis foi retirado e examinado a luz de vela. Havia muito pouco ou quase nada para ser visto e o deixei sobre a mesa no quarto escuro. Retornando algum tempo depois fui surpreendido com uma imagem definida. Estava certo de que não havia nada quando o examinei antes, assim sendo, (salvo mágica), a única conclusão que pode ser tirada é que a imagem inesperadamente se revelou por uma ação espontânea.”.

            Neste momento a mente científica de Talbot entra em ação para associar uma curta exposição do papel sensibilizado com algum haleto de prata com a ação redutora do ácido gálico atuando como agente revelador da imagem latente.

            Até então, os processos fotográficos existentes (na verdade, os três processos únicos processos: a daguerreotipia, o desenho fotogênico e o quase esquecido positivo direto de Bayard), se valiam unicamente da ação do sol para formar uma imagem visível e a ideia de uma imagem latente revelado por alguma reação química não era cogitada.

            Talbot continuou sua pesquisa nesse caminho até que, em 1841, apresentou à Royal Society seu processo batizado de calotipia do grego kallos e typia, significando “bela imagem”.

            A calotipia, que também foi chamada de talbotipia, por motivos óbvios, não produzia uma imagem positiva. Seu produto final era uma imagem negativa do objeto fotografado, ou seja, as altas luzes se mostravam escuras a as áreas de sombra, claras. Para que a imagem fosse vista como realmente era ainda se fazia necessário copiá-la como positivo via desenho fotogênico (papel salgado). Essa etapa não destruía o negativo e assim a mesma imagem registrada inicialmente podia ser reproduzida tantas vezes quanto fosse desejado.

Apesar de não possuir as mesmas características de nitidez e detalhamento de um daguerreótipo é o processo criado por Talbot, com sua facilidade de operação (em comparação a daguerreotipia), que cria o primeiro movimento no sentido de popularizar a fotografia, que só não foi mais amplo em seu primeiro momento, pelo fato de, talvez, em razão do que foi vivido em sua infância e juventude, Talbot patenteou tanto a calotipia, quanto o desenho fotogênico, concedendo licenças para o uso de ambos os processos. Esse entrave legal perdurou até o início da década de 1850 quando, pressionado por sua mãe e pela Royal Society, renunciou aos seus direitos sobre o desenho fotogênico e, posteriormente, a calotipia.

            Podemos dizer, sem medo de erro, que a calotipia é a Grande Mãe da fotografia. De uma tacada inaugura as duas características básicas da fotografia tradicional: a imagem latente que faz, por conta da reação química, com que os tempos de exposição sejam derrubados de muitos minutos para alguns segundos e o princípio do negativo-positivo, que passa a permitir a reprodução ilimitada de uma mesma imagem.

            A importância da descoberta da imagem latente foi tão fundamental para fotografia que permite até uma analogia com as sequencias binárias de um arquivo digital. O mesmo princípio se aplica. Assim como a química revela a prata invisível sobre o papel, um programa também “revela” a imagem codificada em zeros e uns. ”       

Rodolfo Namias (1867 – 1938), químico, fotógrafo italiano, autor de trinta livros técnicos sobre fotografia, sendo o mais conhecido a Enciclopedia Fotografica, com mais de mil páginas. Em 1894, funda a revista Progresso Fotografico, publicada até os dias de hoje.

Rodolfo Namias

Dentre suas contribuições para a fotografia se destacam estudos sobre os processos químicos para a revelação de diapositivos em cores que foram, depois, utilizados como base para o processo de revelação do kodachrome e na fixação de cores nos filmes cinematográficos, contribuindo para o desenvolvimento do technicolor.
Namias também desenvolveu um processo próprio para impressão fotográfica o qual batizou de resinotipia.

A resinotipia, apesar de dividir o mesmo princípio do “dust on”, quanto a aplicação de um pigmento pulverizado sobre o papel, é um processo em si e não uma adaptação de processos anteriores, já que o método de execução e a química empregada lhe são únicos.

O processo foi patenteado em 1922 e descrito no livro de sua autoria chamado: La Tecnica e la Pratica della Resinotipia – Acquaforte Fotografica.
Praticada principalmente na Itália, a resinotipia jamais alcançou o status de um processo popular, principalmente pelo fato de Namias ser o único fornecedor dos pigmentos utilizados e de algumas informações imprecisas ( de propósito, talvez) na descrição do processo.

Amazon.it: La tecnica e la pratica della resinotipia - Rodolfo ...

Após a morte de Namias, em 1938, e com o início da Segunda Guerra Mundial, a resinotipia foi praticamente esquecida para ser redescoberta a partir dos anos de 1980.

Retoques e manipulações existem desde quando existe fotografia. Só dava um pouco mais de trabalho.

Arquivos