O Sensibilizante

A preparação da solução ácida de nitrato de prata ou acetonitrato (termo utilizado por vários pesquisadores durantes os primeiros anos da fotografia), para sensibilizar o papel preparado com soro de leite, é bem simples.

Dissolva 2 g de nitrato de prata em 30 ml de água. Quando o nitrato estiver totalmente dissolvido, adicione 2 ml de ácido acético glacial.

A fórmula original de Sutton indica as seguintes medidas: 30 grãos de nitrato de prata, que equivalem a, aproximadamente, 1,95g. Uma onça fluida de água, equivalente a 29 e alguma coisa ml. E um escrópulo de ácido acético glacial que é um volume próximo dos 1,18ml. Porém como não disponho de equipamentos para medidas tão precisas e para não complicar o caminho de quem quiser repetir o processo, as medidas foram arredondadas, a maior, para unidades inteiras.

A aplicação dessa solução sobre o papel deve ser feita com uma trincha macia e limpa.

ATENÇÃO: A APLICAÇÃO DA SOLUÇÃO BEM COMO A SECAGEM DO PAPEL DEVEM OBSERVAR CONDIÇÕES DE LUZ DE SEGURANÇA VERMELHA OU ÂMBAR. O PAPEL, DEPOIS DE SECO, DEVE SER MANTIDO AO ABRIGO DE QUALQUER FONTE DE LUZ BRANCA E DEVE SER USADO EM ATÉ TRÊS DIAS.  

O Revelador

Uma solução saturada de ácido gálico deve ser utilizada. (Solução saturada é aquela onde o solvente não tem mais capacidade de dissolver o soluto.) Esta solução, depois de preparada em volume suficiente para cobrir toda a área do papel, deve ser filtrada e guardada em um frasco âmbar. Um litro revela em média 10 folhas A4.

O Fixador

É simples. Tiossulfato de sódio a 10% (Hipossulfito)

A Exposição

Feita da mesma maneiro dos demais processos de impressão por contato, ou seja papel e negativo juntos e sanduíche de vidro. Como a combinação do soro do leite com o nitrato de prata é sensível à luz branca, não há necessidade do uso de qualquer fonte UV, o conjunto deve ser abrigado até o momento da exposição. A montagem do conjunto para exposição pode ser feita na penumbra.
Não há necessidade de incidência direta da luz do sol bastando que uma janela fique aberta para que a reação se desenvolva. O tempo de exposição pode variar entre cinco minutos e uma hora, dependendo da claridade da luz.
(Não testei ainda com luz elétrica)

A Revelação

Ao ser encerrada a exposição o papel apresentará traços da imagem nas áreas de sombra e praticamente nada nas áreas das altas luzes. O papel deve ser colocado na solução reveladora de uma só vez e o controle é visual. Também aqui o trabalho deve ser feito sob luz de segurança. Caso isso não aconteça As altas luzes apresentaram um véu acinzentado que progredirá até a veladura total da imagem.

Fixação e Lavagem

Fixe a impressão por três ou quatro minutos (a partir do primeiro minuto a luzes já podem ser acesas) e lave a por meia hora para eliminar o fixador.

Abaixo, depois de onze tentativas e ajustes, a primeira impressão para ser mostrada feita com a utilização de um negativo de papel encerado para simular o máximo possível as condições descritas por Sutton.

                            Tempo de exposição: 25 minutos

 

 

 

Anúncios