You are currently browsing the monthly archive for novembro 2012.

Passadas 24 horas do teste feito, mais uma observação deve ser feita.

– A madeira foi deixada para que secasse exposta à luz ambiente e ao cabo de algumas horas, ocorreu um escurecimento acentuado da imagem obtida. A conclusão que se chega é que o tempo da lavagem final que se aplica ao papel não pode ser utilizado para a madeira, principalmente se for muito macia (Pinus), como é o caso.

A solução deve ter penetrado no material muito mais do que no papel. Talvez a aplicação de uma camada fina de selante possa evitar esse problema. (Gelatina?)

Peça após 24 horas

Detalhe da imagem formada

Como já foi dito antes, dentre todos os processos históricos ou alternativos talvez a cianotipia seja o mais versátil, podendo ser aplicada praticamente sobre qualquer superfície que absorva a solução.

Recolhido em uma caçamba de entulho, parte de uma caixa de madeira serviu para um primeiro teste. Além de dar outro destino ao que seria despejado em algum lixão, as possibilidades de uso dos veios e da textura da madeira na composição da imagem justificam, o que na visão de alguns, é simples “catação de lixo”.

Porém alguns cuidados são necessários. Nesse primeiro teste foi observado o seguinte:

– A madeira tem que estar completamente seca e sem qualquer vestígio de umidade. Se isso não acontecer, a reação de oxidação da solução se inicia logo após sua aplicação causando o escurecimento de setores da madeira antes de sua exposição.

– A superfície deve ser previamente lixada para que fique o mais nivelada possível, garantindo o contato integral do negativo com a madeira. 

– A exposição deve ser feita com a luz incidindo diretamente sobre o conjunto. Mesmo com índices altos de UV, a exposição feita na sombra requer mais tempo o que pode implicar na formação desigual da imagem.

– Mesmo com um nivelamento razoável da superfície a placa de vidro utilizada deve ter peso suficiente para garantir o contato. A espessura do vidro deve ser superior a 3mm. 

– A lavagem deve ser feita imergindo-se a peça por inteiro na água. O uso de mangueira, por não atingir a peça de modo uniforme, acaba por criar veios azuis por onde a água escorrer.

 

 

Tempo de exposição em área sombreada foi de 20 minutos.

 

Um filmete montado com as imagens das cianotipias expostas na Galeria Entre Aspas, em Juiz de Fora, no ano de 2007.

Como é minha primeira tentativa em fazer algo semelhante, por favor, me digam o que pode ser melhorado para os próximos.

 

 

 

Abaixo, mais algumas fórmulas AGFA.

Por conta da evolução dos filmes e papeis fotográficos, os tempos de revelação indicados devem ser considerados somente como referência.

NUNCA É DEMAIS LEMBRAR: 

TODO O PROCEDIMENTO QUE ENVOLVA A MANIPULAÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS DEVE SER REALIZADO COM AS PRECAUÇÕES CABÍVEIS. CASO VOCÊ NÃO SAIBA COMO, OU NÃO SE SINTA SEGURO PARA FAZER, NÃO ARRISQUE.

SEMPRE ADICIONE OS COMPOSTOS NA ORDEM DADA E QUANDO O ANTERIOR ESTIVER TOTALMENTE DISSOLVIDO.

 

AGFA 20

Revelador metol-hidroquinona. Especifico para filmes diapositivos preto e branco.

Água (52ºC)                                                                         750ml

Metol                                                                                       2g

Sulfito de sódio (anidro)                                                 25g

Hidroquinona                                                                      4g

Carbonato de sódio (monohidratado)                      18,5g

Brometo de potássio                                                        2g

Água até completar o volume de um litro

Usar sem diluir. Tempo de revelação: 3 a 4 minutos (18ºC).

 

AGFA 22

Revelador metol-hidroquinona para filmes diapositivos preto e branco de alto contraste.

Água (52ºC)                                                                         750ml

Metol                                                                                     0,8g

Sulfito de sódio (anidro)                                                 60g

Hidroquinona                                                                      8g

Carbonato de sódio (monohidratado)                      50g

Brometo de potássio                                                        5g

Água até completar o volume de um litro

Usar sem diluir. Tempo de revelação: 5 a 8 minutos (18ºC).

AGFA 30

Revelador para filmes de raio-x

(Qualquer filme ou chapa para raio-x pode ser utilizado para fotografia comum, feitos, naturalmente, os ajustes necessários para a correta exposição à luz normal.)

Água (52ºC)                                                                         750ml

Metol                                                                                       3,5g

Sulfito de sódio (anidro)                                                 60g

Hidroquinona                                                                      9g

Carbonato de sódio (monohidratado)                      40g

Brometo de potássio                                                        2g

Água até completar o volume de um litro

Usar sem diluir. Tempo de revelação: 6 a 8 minutos (18ºC).

 

AGFA 40

Revelador metol-hidroquinona para filmes em geral.

 

Água (52ºC)                                                                         900ml

Metol                                                                                     4,5g

Sulfito de sódio (anidro)                                                54g

Hidroquinona                                                                     7,5g

Carbonato de sódio (monohidratado)                      54g

Brometo de potássio                                                        3g

Água até completar o volume de um litro

Pode ser diluido na proporção de 1:2 ( uma parte de revelador para duas de água). Tempo de revelação: 4 a 5 minutos (18ºC).